12.21.2010

Volta, volta hoje


Nova Jérsei, 17 de Outubro, de 1993
Jack,
Na minha linguagem e na forma de como o meu subconsciente entende, esta distância não é nada mais do que a separação dos nossos olhares. Meço-a pelo comprimento da minha saudade, que me gera angústia, nostalgia e tristeza.
São agora 00:56pm e acabei de acordar sobressaltada, com o som da chuva, que cai torrencialmente lá fora, com o vento que bate brutalmente contra a janela do meu quarto e eu senti medo. Medo de estar sozinha neste vazio.
Eu tentei e lutei contra a minha dor, contra a minha solidão. Mas no meu reflexo, vejo as minhas lágrimas caírem e ouço um soluço. Sinto-me esquecida num canto do quarto.
O meu telemóvel, está encima da minha cama e de dez em dez minutos vejo o ecrã aceso onde leio, somente, “Uma nova mensagem de”. As lágrimas inundam os meus olhos e não me permitem, nunca, ler o nome de quem se lembrou que eu ainda existo, de quem se lembrou que eu ainda sou alguém.
Acordei com sentimento de culpa. Acordei com esta mudança de atitude, relativamente, à atitude que tomei há dois anos. Não sinto remorso, porque isso não é sinónimo do que sinto, nem é sinal de um completo arrependimento.  
Eu sei que te desiludiste comigo, que te dei motivos para isso e que te magoei muito. Eu sei.
Mas agora o meu olhar está perdido, numa direcção incerta e a minha mão está estendida à espera da tua.
Com a saudade que me atormenta, tenho uma ferida aberta e uma chama viva, que me queima o peito e dilacera a alma.
Enquanto dormia, nos meus sonhos, tentei encontrar a tua imagem, tentei ouvir a tua voz doce e ver o teu sorriso suave. Mas foi quando acordei que dei conta da perda, que dei conta dos anos passados sem ti, dos beijos que não te dei e do carinho e afecto que te neguei.
A tua ausência provoca-me dor.
Sei que fui egoísta e até te perdi de vista, mas volta. Volta logo que possas. Volta porque eu sinto a tua falta, sinto saudades tuas. Amo-te

Um beijo da esquecida Margot

2 comentários:

D disse...

Está mesmo lindo amor *.* O meu 2º preferido *.*

André disse...

Adorei o texto ;)
Não pares, há-de voltar esse alguém que te faz falta :)